Amélie Gabrielle Boudet nasceu em Thiais, comuna do Departamento do Val-de-Marne, a 12 quilômetros ao sul de Paris a 23 de novembro de 1795. Filha única de Julien Louis Boudet e de Julie Louise Segneat de Lacomb, Améllie aliou desde cedo grande vivacidade a forte interesse pelos estudos, tendo uma fina educação moral, o que lhe proporcionou apurados dotes intelectuais. 

Diplomou-se numa Escola Normal em Paris, em professora de 1ª Classe e, segundo Canuto Abreu, em O Livro dos Espíritos e sua Tradição Histórica e Lendária, foi também professora de Letras e Belas Artes. Escreveu diante desta fecundidade intelectual, 3 obras: Contos Primaveris (1825), Noções de Desenho (1826), O Essencial em Belas Artes (1828). Imersa em meio de tanta cultura, tornou-se óbvio o encontro de almas afins, o encontro com o circunspecto, polido e reto, Hypollite Leon Denizard Rivail. 

Veio o consórcio matrimonial à 6 de fevereiro de 1832, reafirmando um amor de vidas passadas, cujo compromisso mútuo de auxílio, os religaram de maneira tão apropriada . Apesar da diferença de 9 anos, a vivacidade que lhe era inerente, se tornou cúmplice de tamanho amor. 

Seguindo a sua formação pestalozziana, Kardec veio a fundar um Instituto Técnico com base nos métodos do seu professor. Amélie acompanhou-o através de uma fase difícil para a educação francesa, que não tinha o apoio governamental para o ensino primário, o que só se modificou em 1833. Dois anos após, este Instituto veio a cerrar as suas portas por dificuldades financeiras. Amélie como toda grande mulher, apoiou-lhe em momento tão revés, auxiliando-lhe enquanto ele fazia a contabilidade de estabelecimentos comerciais, na preparação de cursos gratuitos que eles deram origem em 1835, na sua própria casa. 

Diante de tanta luta e empenho, o casal Rivail veio a restabelecer sua situação financeira. Sr. Rivail tornou-se bastante respeitado em meio acadêmico, através de obras pedagógicas adotadas pela Universidade de França, cursos públicos de matemática e astronomia, para alunos e professores. 

Em 1854, em meio a fenomenologia das mesas girantes e ao célebre episódio de Hydlesville (em Nova York), a Europa estava imersa no maravilhoso e desconhecido limite entre os planos físicos e espiritual. Através de Sr. Baudin, Rivail assistia a sua primeira manifestação da Dança das Mesas, em 1855 iniciar seus primeiros estudos em casa do amigo. Amélie o acompanhava, irradiando uma alegria pelo novo horizonte que descortinava a sua mente. 

Iniciando a escrita do Pentateuco, Rivail encontrava em sua esposa a incentivadora, secundando-lhe nos árduos, porém tão dignos trabalhos. Rivail lança em 1º de janeiro de 1858, o Livro dos Espíritos com o apoio de sua esposa. Dado ao âmbito de suas atividades, a sua casa tornou-se foco de sucessivas reuniões que exigiram de Sra. Rivail extenuante, porém abnegado zelo pelos que ali chegavam. Tamanha era a frequência das pessoas, que levou um grande número a sua casa deixando-a apertada a ponto de Sr. Rivail em abril de 1858 criar a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas. 

A época era de extremo domínio clerical, o que rendeu a Sr. Rivail inimigos gratuitos, injúrias, calunias, traições... Amélie era a consolação e o amparo para o codificador. 

Iniciaram-se as célebres viagens de Kardec, que tinham, na medida do possível, a compania da abnegada esposa. 

Aos 31 de março de 1969, Kardec desencarnava. Amélie dava testemunho vivo do entendimento da proposta espírita, apesar da profunda dor. Trinta e sete anos acompanhando o Mestre Lionês, na infinita luta em prol do esclarecimento da humanidade. Silenciara Madame Rivail em face as calúnias que foram feitas ao seu iluminado marido. 

Recebera manifestações da França e do estrangeiro, e uma manifestação incontestável dos espiritistas dos préstimos do Bom Senso Encarnado, que arrecadaram contribuições para erguerem um dólmen que lembra as arquiteturas druidescas, e um busto de bronze do Mestre Lionês, inaugurada a 31 de março de 1870. 

O desencarne e morte de Kardec em nada abalou o espírito trabalhador e virtuoso de Madame Rivail, que geriu, apesar da avançada idade, os recursos, as propriedades e as obras que a tinham como única proprietária. O seu empenho pessoal deu motivação ao prosseguimento da doutrina, fazendo do seu esforço pessoal a marca viva do entendimento concreto e real, de um pensamento que vive até hoje em nossa mentes e corações. 

Sr. Leymarie foi um dos mais célebres colaboradores da doutrina, assumindo a administração da Revue Spirite, ajudando Sra. Rivail na propagação da doutrina espírita. Teve a Sociedade Espírita o nome: Madame Allan Kardec, o que causou ciúmes de determinados membros, mas a anciã em Assembléia pediu que fosse chamada: Sociedade para a continuação das Obras espíritas de Allan Kardec. Aos 87 anos, mantinha a lucidez que poucas pessoas conseguem ter. 

Desencarnou a 23 de janeiro de 1883, sendo enterrada junto ao dólmen de Allan Kardec. Participaram do seu enterro Gabriel Delane, Sr. Leymarie, entre outros e Sr. Lecoq que leu uma mensagem de Antônio de Pádua que relatara a chegada na espiritualidade daquele ser tão bem-aventurado.  

 

Texto elaborado pelo casal Cláudio e Cristiane Gonçalo
Resumo de texto extraído do Reformador, Novembro de 1995 
em homenagem ao Bicentenário de nascimento de Amélie Boudet

Este texto você não pode deixer de ler!

religiao espirita

CDOR 18

Powered by OrdaSoft!